Background - 18ª Festa Nacional do Moranguinho

Sobre a festa

A festa mais gostosa do país

A Festa Nacional do Moranguinho é uma das festividades mais conhecidas do Rio Grande do Sul. Realizada a cada dois anos, reúne aproximadamente cem mil pessoas interessadas em se divertir e degustar os melhores morangos.

A Festa tem uma ampla programação cultural, que reúne shows de artistas nacionais, regionais e locais, corais, orquestras, atrações alemães e gauchescas, uma feira industrial e comercial com mais de 130 estandes. Além, é claro, de explorar ao máximo os sabores e aromas do morango, oferecendo tanto a fruta in natura como diversos derivados.

A Festa acontece no Parque Municipal de Bom Princípio, conhecido pelo Morangão, uma estrutura com 7 metros de altura que funciona como portão de entrada. O Parque tem fácil acesso e reúne tudo o que Bom Princípio tem de melhor em um só lugar.


Morangão - 18ª Festa Nacional do Moranguinho


A história da Festa Nacional do Moranguinho...

Quando se fala em morangos, uma série de imagens nos vêm à mente, a relação da cor cárnea, os ares de sedução e a lembrança de receitas deliciosas são, geralmente, aguçados, contudo, antes de abordar os campos diversos, iremos, contar um pouco da história do morango em si.

Proveniente da expressão latina Moru, que remete também à amora, ou mais precisamente a palavra Moranicu, o termo morango é uma derivação, sendo, assim, também a origem da expressões francesas e espanholas, alusivas ao morango, derivadas do mesmo idioma. Quanto à palavra espanhola fresa (equivalente a morango), esta terá origem no latim fraga por via do francês fraise. Deste modo, quer morango quer fresa têm origem latina. O morango é o fruto de uma planta da família Rosaceae, a mesma das rosas, maçãs, pêras e cerejas. É uma planta nativa das terras temperadas da Europa, mas que hoje em dia é cultivada com sucesso em grande parte do mundo. Na era romana, era valorizado por suas propriedades terapêuticas e praticamente servia para todos os tipos de doenças. Começaram a ser cultivados no século XIII.

Antes ainda de qualquer tipo de confirmação de cultivo, os morangos surgem, citados, na mitologia nórdica, de modo que os morangos foram originalmente associados à deusa nórdica Friga ou Freya. E até a difusão do cristianismo essa associação era normal à deusa. Freya aparentemente tinha um pouco de ciúmes para com os morangos, tanto que ela exigia que todos os morangos fossem entregues para ela. E se qualquer pessoa que se aproximasse do Céu com a boca manchada de morango, ela lançaria ao tormento eterno por invasão de seus campos. Outra curiosidade desse mito é que as crianças subiam disfarçadas de morangos ao céu, daí o povo da terra nunca sabia quando eles estavam cometendo canibalismo por comê-los, então a maneira mais segura era evitar o consumo de morangos.E, como todas as coisas consideradas pagãs os morangos também foram absorvidos pelos mitos cristãos como um dos frutos da Virgem Maria.

Remetendo a uma das personagens mais icônicas e controversas da história, surge o cultivo do morango na França, no período do “Rei Sol”, o mesmo abordado no filme Três Mosqueteiros. O jardineiro de Luis XIV cultivava morangos em Versalhes. Desta forma, a fruta polpuda e saborosa passou a ser valorizada à sobremaneira, pelos nobres, e também plebeus, que sonhavam, algum dia, ter cardápio semelhante a Luis XIV.

Seu cultivo passou a ser popular no século XVIII e mais de 600 espécies foram desenvolvidas. Curiosamente, a parte carnosa do morango, a que comemos, não é o fruto mas o resultado do inchaço dos talos da planta. O fruto verdadeiro é a semente amarela que fica incrustada na superfície da parte carnosa.

Apesar de terem começado a ser cultivados pelos romanos em 200 a.C., os morangos eram raros até o fim do século XVIII, pois sua produção era difícil. O consumo popularizou-se só com o surgimento de uma nova espécie, de fácil reprodução e cultivo, na verdade um híbrido: os morangos consumidos atualmente (Fragaria ananassa) surgiram de um cruzamento casual entre duas espécies americanas levadas à região de Brest, na França. Alan Davidson, autor de The Oxford Companion to Food (Oxford University Press, Inglaterra, 1999), informa que essas variedades foram o morango chileno (Chiloensis), nativo do Pacífico no norte e sul da América, e o Virginia (Fragaria virginiana), nativo do leste dos Estados Unidos. A partir do aprimoramento das técnicas de cultivo surgiram inúmeras espécies. Porém, o morango tem uma particularidade. Tecnicamente ele é uma falsa fruta. Botanicamente, aquilo que chamamos de morango não é a fruta, e sim um receptáculo dos frutos. Aqueles grãozinhos minúsculos que revestem sua superfície é que são a verdadeira fruta do gênero Fragaria. No ponto de vista gastronómico, isso não faz a menor diferença. Com tantas qualidades, pouco importa qual é a parte do morango que é denominada como fruta. O que interessa é que, o todo, é chamativo e salutar.


Fruto da sedução

O morango, que tem o formato de um coração, muito bem poderia ter sido nominado, nas histórias orais, como o fruto do pecado original, mas, isso cabe à maçã (ainda que não esteja escrito qual era o fruto de Adão e Eva na Bíblia). Mas, menos mal, desta história, como fruto de origem do pecado, o morango não sai manchado.

A maioria das simbologias associadas à essa fruta são positivas. Assim, na Roma Antiga, o morango era o símbolo de Vênus, equivalente à Afrodite, a deusa do panteão grego, do amor, da beleza e da sensualidade.

Devido à sua cor vermelha, sabor intenso e formato de coração, o morango simboliza o amor, o erotismo e a sensualidade. Não obstante, para os ciganos, o morango é utilizado em poções e chás para trazer a energia necessária bem como aproximar o ser amado. Por esse motivo, acreditam que se duas pessoas dividem dois morangos estão destinadas a se apaixonar.

Na cultura indígena da América do Norte, os Ojíbuas (em inglês Ojibwas) acreditavam que quando uma pessoa morria e adentrava ao mundo dos mortos, sua alma vagava até chegar num imenso morango e, no momento que o provasse, seu espírito se desprendia totalmente do mundo dos vivos. Do contrário, se recusasse a comê-lo, como castigo, regressaria ao mundo dos vivos. Para eles, essa fruta simbolizava a paz de espírito e a boa estação.

Durante o século XV, de forma que as folhas dos morangos estavam associadas à Santíssima Trindade, os monges da Europa Ocidental, em seus manuscritos com representações da Virgem Maria, incluíam com frequência os morangos selvagens nas próprias ilustrações.

Muitas culturas acreditam que os morangos simbolizam a perfeição de espírito, a paz e o ideal feminino. Outras simbologias atribuídas à fruta são: a tranquilidade de um lar, um sonho realizado ou uma vida feliz.


Arte e morangos

No cinema, com abordagens a Morangos Silvestres (Bergmann, 1957), quanto no passar das décadas, até a abordagem política de Morango e Chocolate (Taba, 1994), a fruta símbolo de Bom Princípio sempre foi marcante na sétima arte.

No universo infantil, a personagem Moranguinho, é tema de incontáveis festas de criança, fazendo parte do imaginário da primeira idade.

Assim, na literatura, em especial aquela que remonta à gastronomia, o Morango é uma das personagens mais citadas quando as receitas são de saborosos doces, transcendendo continentes e estilos de vida.


A Terra do Moranguinho

A localidade de Bom Princípio ainda pertencia a São Sebastião do Caí, e o Brasil era administrado sob o regime militar, quando surgiram as primeiras lavouras de moranguinhos com fins comerciais. A primeira propriedade a investir na produção foi de Alfeu Groth, da localidade de Mambuí. Até então o morango era cultivado apenas nos jardins das residências, para consumo próprio e sem emprego de técnicas apuradas.

No final dos anos 60 o setor primário do município baseava-se fundamentalmente no cultivo do milho, soja, alfafa, criação de suínos e gado leiteiro. A baixa produtividade e os preços pouco compensadores obtidos pelos produtos, motivou os agricultores em investir noutras atividades, dentre elas o cultivo de hortigranjeiros. Pioneiro na produção de morangos em Bom Princípio, Alfeu Groth trouxe as primeiras mudas da espécie Guayba, em 1967.

Na época a maior dificuldade era encontrar informações técnicas sobre a cultura e mudas. Distante da Secretaria da Agricultura e a inexistência de um escritório da Emater forçaram o produtor a buscar informações diretamente com produtores de outras cidades da região. As primeiras orientações foram obtidas junto as propriedades de Celso Bach e Sinésio Dulius, da localidade de Escadinhas, Feliz. A curiosidade de conhecer a nova cultura e a vontade de inovar foram as motivações que levaram Alfeu a superar as dificuldades iniciais.

As primeiras 200 mudas adquiridas pelo produtor bom-principiense tiveram um custo de 25 Cruzeiros por muda. Para ter-se uma ideia do alto valor pago, basta comparar com o preço do litro da gasolina, que naquele ano custava 1,30 cruzeiros, ou o quilo de morango que era vendido a 3,50 Cruzeiros. Estas primeiras 200 mudas foram adquiridas com o objetivo da multiplicação, o que resultou em 15mil mudas em 1968.

Além das 15 mil mudas produzidas, outras 85 mil foram adquiridas junto a Granja de Morangos Pasa, em Farroupilha. Das 100 mil mudas plantadas, o produtor obteve uma produção de 103 mil quilos. No final dos anos 60, a cultura do morango já se tornara uma cultura comum a várias famílias, que produziam em parceria com Alfeu Groth, que fornecia as mudas e insumos necessários.

Crescimento Gradativo

Foram necessários 20 anos para que Bom Princípio fosse reconhecida como a Terra do Moranguinho. Isto aconteceu a partir das duas primeiras edições da Festa do Moranguinho,nos anos de 1986 e 1988. Antes disso os agricultores ligados à produção de morangos tiveram a missão de conquistar mercado para a fruta. Inicialmente a comercialização restringia-se ao mercado local.

O aumento da produção tornou necessária a busca de novos mercados consumidores. Foi quando iniciou a comercialização para a Ceasa, onde o agricultor Lauro Martini, de Bela Vista foi pioneiro. A comercialização era feita em caixas de madeira com capacidade para sete quilos, o que causava o esmagamento da fruta. Daí, a inovação com a introdução da embalagem de papelão, com capacidade para um quilo. Nos últimos anos parte da produção está sendo destinada aos demais Estados das regiões Sul e Sudeste.

Conforme avançaram as técnicas de produção, gradativamente também aumentou a produção de morangos. Até 1994 o número manteve-se estável, com uma área de 18 hectares. A partir disto, anualmente houve aumento na produção, especialmente em 1996, quando a área cultivada passou de 18 para 31 hectares. Neste ano, no entanto, algumas pragas atacaram a lavoura, desmotivando os produtores. No ano seguinte o município sediou o 1º Simpósio Estadual sobre a produção de mudas de morango. “Foi um marco definitivo para qualificar as mudas do Estado”, reconhece o então técnico da Emater, LeneuBlauth. “Depois do problema de 1996, neste ano atingimos novamente a mesma área cultivada com moranguinhos”, destaca Blauth.

Com o passar dos anos e fertilidade do solo apontando para a viabilidade de produção de morangos a tentadora fruta passou a ter mais espaço. Até ali era apenas mais uma cultura domiciliar do que uma produção em larga escala. Tudo mudou muito rapidamente.

A segunda edição da festa já teve por palco o parque municipal e foi de uma amplitude muito maior. A evolução foi sucessiva, de maneira que a festa alcançou um público pagante superior a 100 mil em vários momentos da história. A festa passou a ser considerada como Festa Nacional do Moranguinho, tendo o seu nome consagrado dentro, e até mesmo, fora do Rio Grande do Sul.


Um reino de sabor e beleza sem igual

Contar a história da festa nacional do Moranguinho requer um regresso ao tempo e uma conversa com o seu primeiro presidente.

Gilberto Rauber, mais conhecido como Péo, é um felizense que trabalhava em Bom Princípio e que, num dia qualquer de muito trabalho, em 1986, ouviu do prefeito José Hilário Junges um pedido, um tanto, inusitado. “Escuta Rauber, eu estive em Porto Alegre com o governador Jair Soares e ele me disse que nós deveríamos fazer uma festa pra mostrar Bom Princípio. E como produzimos morangos, vamos fazer aqui a Festa do Moranguinho”, recorda o ex-prefeito Junges. Para o completo susto de Rauber, que sabia que Feliz produzia mais morangos do que Bom Princípio, o prefeito emendou: “Tu vais ser o presidente da festa e, mais, ela tem que dar lucro”.

Frente aos desafios propostos pelo prefeito, obter lucro da festa, seria, o menor dos problemas para Rauber. Como ele, filho de Feliz, iria presidir a Festa do Moranguinho em Bom Princípio? Gilberto foi profissional, aceitou a proposição de Junges e assim, iniciou-se a história da Festa do Moranguinho, em outubro de 1986, quando ainda não se denominava a mesma como evento de cunho nacional. Mas, ter uma festa exigia, para facilitar a divulgação, ter uma rainha. Tudo foi realizado meio que às pressas, mas, a escolha de apenas uma representante consagrou a beleza e a sabedoria de Marisa Kaspary.

Quando terminou a primeira festa, com sucesso considerável, e sabendo que outros eventos feito este poderiam surgir, foi feito o registro do nome, já como Festa Nacional do Moranguinho.

Sucederam-se outras festas, a cada dois anos uma nova corte era eleita. Isso até 1994, quando o reinado foi mais curto, pois era necessário mudar a data da Festa Nacional do Moranguinho. Não era conveniente fazer a festa no ano das eleições municipais, pois as rivalidades poderiam prejudicar o evento em si. A Festa do Moranguinho era maior do que qualquer rusga político-partidária.

Confira imagens daquelas que reinaram nesta que é uma das maiores festas do Sul do Brasil. Beleza e simpatia jamais lhes faltaram. Cada qual, à sua época, fez o melhor que pode por Bom Princípio, sendo, assim, eternas soberanas.


1ª Festa do Moranguinho - 1986
Rainha – Marisa Kaspary
Presidente: Gilberto Rauber

2ª Festa Nacional do Moranguinho – 1988
Rainha – Cláudia Raquel Müller
Princesas – Jaqueline Schmitz e Márcia Steffen Torres
Presidente: José Bertoldo Ledur

3ª Festa Nacional do Moranguinho – 1990
Rainha – Silvana Amarante de Moraes
Princesas – Adriane Maria Heck e Suzana Nienow
Presidente: Gilberto Rauber

4ª Festa Nacional do Moranguinho – 1992
Rainha – Cristina Ledur
Princesas – Fabiana Schmitz e Rosane Lunkes
Presidente: César Luiz Baumgratz

5ª Festa Nacional do Moranguinho – 1994
Rainha – Simone Catarina Ledur
Princesas – Paula Hoff e Vivian Wagner
Presidente: Aloísio Roque Schmitz

6ª Festa Nacional do Moranguinho – 1995
Rainha – Cristiane Martini
Princesas – Tatiana Tavares e Daliane Juchem
Presidente: LeneuBlauth

7ª Festa Nacional do Moranguinho – 1997
Rainha – Letícia Chassot
Princesas – Magali Birck e Simone Ströher
Presidente: Jairo Ledur

8ª Festa Nacional do Moranguinho – 1999
Rainha – Joicele Schneider
Princesas – Lilian Juchem e Dilene Rodrigues da Silva
Presidente: Edgar Dario Müller

9ª Festa Nacional do Moranguinho – 2001
Rainha – Paula Viecelli
Princesas – IzabeliLedur e Tatiana Scherer
Presidente: Elton Sebastiany

10ª Festa Nacional do Moranguinho – 2003
Rainha – Jaqueline Marx
Princesas – Maísa Selbach e Scheila Bach
Presidente: Elton Sebastiany

11ª Festa Nacional do Moranguinho – 2005
Rainha – VaniraHeck
Princesas – Juliana Führ e Stefane Müller
Presidente: João Carlos Ledur
12ª Festa Nacional do Moranguinho – 2007
Rainha – Tatiana Ledur
Princesas – Janice Steffen e Patrícia Steffen
Presidente: César Luiz Baumgratz

13ª Festa Nacional do Moranguinho – 2009
Rainha – Patrícia Klering
Princesas – Daroixa Luft e Jaqueline Ledur
Presidente: Paulo Ricardo Seibel

14ª Festa Nacional do Moranguinho – 2011
Rainha – Susan Laís Luft
Princesas – Adriana Rambo e Amanda Ledur
Presidente: João Guilherme Weschenfelder

15ª Festa Nacional do Moranguinho – 2013
Rainha – Daniela Brustolin
Princesas – Ana Paula Schmitz e Ana Deise Seidl
Presidente: Rodrigo Ledur

16ª Festa Nacional do Moranguinho – 2015
Rainha – Morgana Machado
Princesas – Júlia Elisabeth Marx e Andressa Steffens
Presidente: Gerhard Ledur

17ª Festa Nacional do Moranguinho – 2017
Rainha – Thaís Klering
Princesas – SíntiaSchweikart e Sabrina Lermen
Presidente: Cesar Luiz Baumgratz


Realização e Patrocínio - 18ª Festa Nacional do Moranguinho

Rodapé - 18ª Festa Nacional do Moranguinho